CTB-RJ

PEZÃO QUER CORTAR SALÁRIOS DE PROFESSORES DA UERJ

Os ataques do governo Pezão-Dornelles aos trabalhadores da UERJ tem um novo capítulo. Dessa vez, o governador avança para morder o salário dos professores da Universidade, que vive grande crise na administração peemedebista do Rio de Janeiro.

De acordo com informações do colunista de O Globo, Ancelmo Gois, o governador decidiu fazer uma intervenção na Universidade, forçando medidas como o corte de  30% nos salários dos professores e funcionários da Universidade que está sem atividades há cinco meses.

A ação, que fere a autonomia universitária e ataca o direito de greve dos servidores, será mais um grave ataque desse governo aos trabalhadores. A CTB-RJ se manifestou de forma contrária a esse ataque promovido pelo Governo Pezão através do diretor e professor José Carlos Madureira:

“Cortar 30% dos salários dos professores e funcionários em greve da UERJ é uma prova de que esse governo está sem rumo. Os trabalhadores da UERJ não pagarão a conta pelo desgoverno. Cortar 30% dos salário é perseguição e irresponsabilidade. Os trabalhadores da UERJ não devem pagar o pato nem pagar pela crise. Trabalhador nenhum pode ser responsabilizado e penalizado pode pagar pela irresponsabilidade da gestão do Governo do Estado. A CTB é contra essa medida do Governo Estadual.”

Universidade segue sem previsão de retorno às atividades

O retorno às atividades na UERJ ainda é uma incógnita. O retorno, que estava marcado para a próxima segunda-feira, foi novamente adiado pela reitoria por falta de manutenção nos prédios e atrasos de pagamentos (tanto a funcionários, quanto a bolsistas).

Apesar da situação de crise, a direção da universidade luta também pela contratação de um professor para preencher uma vaga de titular da Escola de Direito (o concurso já foi realizado). O Governo do Estado tenta impedir tal contratação com um mandato de segurança que tramita na 6ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro com base num decreto assinado pelo vice-governador que proíbe a realização de concursos públicos por um ano.O reitor da Uerj, Ruy Garcia Marques, rebate os argumentos do governo do Estado afirmando que o edital foi aberto antes do decreto e os gastos com o concurso já estavam no orçamento de custeio da instituição.

O orçamento de custeio atual da Universidade é de R$ 90 milhões anuais. Desse valor, segundo informações da reitoria da UERJ, apenas R$ 15 milhões foram repassados pelo governo em 2016. E, esse ano, a UERJ não recebeu nenhuma verba desse orçamento, o que agrava a situação da Universidade.